Cine Holliúdy

Cine Holliúdy

A história de Cine Holliúdy acompanha uma família no interior do Ceará nos anos 1970. Francisgleydisson (Edmilson Filho, de As Mães de Chico Xavier), esposa (Miriam Freeland, da novela Máscaras) e filho (Joel Gomes) saem de uma cidade pequena para tentar a sorte em outro local.

O sonhador protagonista é dono de um projetor de cinema, mas seu trabalho está arriscado pelo crescimento no número de aparelhos de televisão. Essa inovação tecnológica é o motivador da mudança de lar.

Pela sinopse, o espectador pode entrar na sala de projeção à espera de uma obra que celebre com certo romantismo o amor pela sétima arte. A surpresa se dá porque o filme vai além dessas expectativas.

Cine Holliúdy é antes de tudo um sincero retrato da alma cearense. Por essa razão, muitas falas não são compreensíveis para o público de fora do Ceará ou do Nordeste. Se as expressões locais são desconhecidas, o forte sotaque dos personagens não atrapalha, já que a fita é legendada em português.

Com isso, mantém-se a honestidade local sem afastar o público forasteiro. A vantagem nesse raciocínio é que os conterrâneos do filme encontram na tela personagens que se assemelham a seus conhecidos. Para o público de outras localidades, a fita oferece uma viagem ao Ceará por um preço muito menor do que uma passagem aérea.

A parcela cultural do longa não estaria completa se não houvesse o melhor do humor cearense na tela. Essa demanda é cumprida com a participação especial de diversos comediantes locais, alguns deles reconhecidos em todo o Brasil, em papéis secundários.

Com todos esses elementos alinhados em um roteiro que consegue misturar com esperteza a autenticidade (pelo retrato local) para levar o Ceará para a mente da plateia e a fantasia (da mente fértil do protagonista) para encantar. Assim, tem-se um bom exemplo do tipo de cinema que devemos produzir: autenticamente nacional, sem se esquecer de tocar os corações.

Crítica publicada originalmente em 1 de novembro de 2012 durante a
Mostra Internacional de Cinema de São Paulo















Crítico de cinema e membro da Abraccine, Edu Fernandes mantém o blog CineDude. É colaborador do site SaraivaConteúdo e tem textos publicados em diversos veículos virtuais. Frequentemente fala sobre cinema no programa Revista da Cidade (TV Gazeta)